Food service: números e tendências 2021 para o setor

Food Service: números e tendências do setor

Nesta semana, celebramos o dia do Food Service, setor que vem se adaptando e se reinventando desde o ano passado, no mundo todo. A pandemia acelerou as transformações digitais pelas quais ele já vinha passando e, apesar de todos os desafios, o food service não parou.

Houve adaptação das embalagens, dos cardápios, uma adequação da estrutura física e do tamanho da equipe. Para muitos comerciantes, o delivery foi um dos principais fatores para manter os negócios ativos. Este formato de venda foi – e tem sido – essencial tanto para os estabelecimentos, quanto para os consumidores. Por isso, também se tornou a aposta de muitos novos empreendedores do ramo.

Para 2021, o mercado ainda deve passar por mudanças. Mas, independentemente do que aconteça, bares e restaurantes se mostraram abertos para adaptações. Mais do que nunca, entenderam que é preciso estar sempre pensando em novas estratégias para se manter funcionando.

A gente decidiu aproveitar a data para falar mais sobre esse setor, começando pelo principal: você sabe o que é food service?

O que é Food Service?

De acordo com o Sebrae, o Food Service – também chamado de alimentação fora do lar – é um dos principais segmentos do setor de alimentos. Fundamental para o dia a dia dos brasileiros e para a economia do país.

O setor engloba atividades que vão desde a produção até a comercialização dos alimentos prontos para o consumo.

Números do setor

Cenário antes da pandemia

O setor fechou 2019 com números positivos.

  • Levantamento feito pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) apontou crescimento de 2,5% na comparação com 2018. 
  • Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), em 2019 o setor movimentou R$ 560 bilhões em todo país;
  • O número de visitas no setor cresceu 5%. Foram, aproximadamente, 604 milhões de visitas a mais do que no ano de 2018;
  • No último trimestre de 2019, o IBGE registrou aumento de 3,3% em empregados do setor privado sem carteira assinada ou trabalhadores por conta própria. Aumento de quase 1 milhão de pessoas em relação ao mesmo período do ano anterior.

Expectativas para 2021

Com a pandemia, o setor de alimentação sofreu muitas mudanças.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Food Consulting, em parceria com o Sebrae, pelo menos 25% das empresas de alimentos fecharam definitivamente. Outras 30% corriam riscos de não resistir à crise.

O estudo levou em conta hábitos dos entrevistados como “comer fora de casa” e “pedir por delivery”. Ainda segundo os dados levantados, alguns motivos que já ocorriam foram intensificados pela pandemia e causaram prejuízos. Entre eles, baixo faturamento e despreparo para gestão de crise, por exemplo.

Apesar dos constantes desafios, o mercado de food service terá um salto de recuperação em 2021 na comparação com as perdas de 2020. É o que preveem as pesquisas mais recentes do setor.

Os números promissores – levantados por Abia, IBGE e Food Consulting – apontam que o setor vai passar de uma queda de 32% em 2020 para uma alta de 22% a 25% em 2021. O que significa um salto de mais de 50 pontos percentuais na comparação com as perdas ocorridas ao longo do ano passado.

Muitos destes ganhos devem ocorrer por conta da menor competição do mercado, já que pelo menos 25% dos operadores fecharam as portas em 2020. Quem conseguiu ficar em pé, conseguirá conquistar mais clientes que querem voltar a consumir – mesmo com renda menor.

Tendências do Food Service

Agora, empreendedores estão em busca de alternativas que chamem a atenção dos clientes para os seus comércios. O objetivo, claro, é reerguer as finanças e atrair novos consumidores.

Pensando nisso, separamos 6 tendências e tipos de negócios que têm chamado a atenção no mercado de food service. Então, vem com a gente 🙂

Dark Kitchens

As dark kitchens – cozinhas escura, em tradução livre – são cozinhas instaladas com estruturas para atender apenas pedidos de delivery. Ou seja, não existe um ponto físico para que os clientes sentem e degustem os alimentos.

E elas estão em alta. Entre as vantagens neste tipo de negócio, estão:

  • Mais economia, já que você reduz gastos que seriam necessários em uma operação tradicional. Entre eles, o salário de uma equipe maior, o aluguel de ponto comercial em boa localização, fachada, decoração e mobília, por exemplo.
  • Maior produtividade: isso porque há menos tarefas internas, logo sobre tempo para produzir mais e melhor nas atividades centrais.
  •  Compartilhamento: o modelo de negócio pode ser compartilhado por inúmeros restaurantes. Isso permite, então, que o cliente tenha um leque extenso de opções dentro de um mesmo app.

Food trucks

Geralmente, os food trucks se localizam em praças ou parques, locais abertos e arejados, que permitem um maior distanciamento entre os clientes. Por isso, no atual contexto, tornaram-se uma ótima opção.

Nesse tipo de negócio, o ideal é se especializar em algum tipo de comida. Assim, fica mais fácil administrar melhor o espaço.

Além disso, as chances de se destacar nas vendas de um tipo de alimento também é maior.

Drive-thru

Assim como o delivery, o drive thru também se intensificou desde o início da pandemia. Isso porque o modelo consiste em entregar a comida para o consumidor em seus carros.

Ele permite que cada cliente coma em seu próprio veículo, ou leve a refeição para suas casas, evitando, dessa forma, aglomerações.

Alimentação vegetariana/vegana

O movimento de redução do consumo de proteínas de origem animal vem ganhando cada vez mais força. Segundo pesquisa da Sociedade Brasileira Vegetariana, o Brasil conta com cerca de 30 milhões de vegetarianos e 7 milhões de veganos.

Então, ao oferecer mais opções para esse público, o seu estabelecimento abrange um número maior de paladares e estilos de vida.  

Aqui no nosso blog, você encontra artigos sobre o mercado vegano, alguns motivos que vão te convencer a incluir opções veganas no seu cardápio, além de receitinhas simples e deliciosas.

Marmitarias Gourmet

Praticidade é bom e todo mundo gosta. É por isso que negócios que investem refeições prontas como marmitas também têm sido uma boa aposta.

Além da comodidade, elas também são econômicas e, por isso, atrativas para o consumidor. Em períodos de crise, o preço se tornar um fator decisivo de compra. Além disso, é uma boa opção para aqueles que seguem no home office e buscam qualidade e rapidez nas refeições.

Ficou interessado em empreender nesta área? Aqui no nosso blog, você encontra muitas dicas!

Grab and Go

O sistema é uma tendência nos EUA. Ele consiste em oferecer refeições prontas para o consumo, balanceadas, embaladas e dispostas em um ambiente em que o consumidor pega o quer, paga e sai. Ou seja, deixa o estabelecimento.

No atual contexto, oferecer esse tipo de refeição para viagem também se tornou uma ótima opção. Afinal, ela permite cliente faça uma compra rápida, sem tantas contatos e aglomerações.

Leave a Comment

Acompanhe a Menu

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos sobre o universo do Food Service

Suporte

Contato